Especiais

Loading...

segunda-feira, 17 de abril de 2017

PARUSIA, DEPOIS DA PÁSCOA

Mais sobre páscoa no link: Páscoa, cordeiro ou coelho?


        A semana da Páscoa Cristã é a celebração do derramamento do sangue de Jesus Cristo na Terra e sua ressurreição. Como se sabe, o sangue é o veículo do Espírito e por meio do sangue derramado na cruz a Terra recebeu em seu interior o Espírito de Cristo que desde então sustenta o planeta até onde a vista não alcança.
Na tradição Cristã, a Parusia é o nome dado à segunda vinda de Cristo. As linhagens exotéricas devocionais (filhos da água) celebram esse mistério na comunhão do rito sagrado na missa; de maneira complementar, as linhagens esotéricas ocultistas (filhos do fogo) compreendem que esse mistério pode ser vivenciado por cada um que se desenvolveu em seus corpos sutis ao ponto da possibilidade de uma vivência pessoal com o Cristo ressurreto. Isso é possível a partir do desenvolvimento do corpo etérico ou vital, o primeiro corpo transcendente acima do corpo físico.
A respeito desse corpo, Rudolf Steiner, Max Heindel e Corine Helline escreveram obra considerável, assim como exercitá-lo com base no desenvolvimento do caráter e da excelência silenciosa do viver saudável.
Na tradição bíblica, a experiência de Paulo em Damasco é ilustrativa desse encontro suprassensível em Cristo. Paulo designa esse corpo em suas cartas na bíblia como corpo alma (soma psuchicon – I Cor. 15:44).
Sobre isso tudo, e enquanto trabalhamos diligentemente sobre nossos veículos, uma poesia de um amigo, o Pompeu Salgado, que já esteve entre nós aqui pela Terra:
Nascimento de Cristo em Cada Homem
Cristo está em cada homem,
Fraquinho, pois eles não se movem.
Para isso a espiritualidade devem percorrer,
Mesmo com perigos a correr.

Vamos nossos erros lamentar,
De arrependimento chorar,
Após isso a Deus orar.

Dessa forma Cristo renascerá
Dentro de cada um de nós.
Insistindo nisso, Ele mais crescerá.

Boa Parusia a todos!!


ATEÍSMO AUTOTEÍSMO E TEÍSMO

“Deus não joga dados” – Afirmação de A. Einstein – Físico
“Não deve ser tarefa nossa prescrever a Deus como Ele deve reger o mundo”
Resposta de N. Bohr – Físico (Do livro “A Parte e o Todo” de Heisenberg)
           
Dentre os movimentos ateístas, mais chamam atenção aqueles em que o homem é chamado ao auto-aperfeiçoamento, como ápice da cadeia evolutiva, sem a necessidade de abertura ou reverência a estados superiores ao humano, enquanto divindades. Grosso modo, caminhos reencarnacionistas em direção à “iluminação” e à cessação do ciclo de nascimento e morte. É possível concebermos, em teoria, movimentos ascensionais e movimentos descensionais, o que clareia, apesar de alguma relatividade, os estados de elevação do humano (despertar) e de descida do divino (mergulhar).
É suicídio mental espiritual ou aleijão e caolhice se afastar da tensão paradoxal da complementaridade. As tensões do tipo Confúcio – Lao Tsé, Aristóteles – Platão, Aquino – Agostinho, Averróis – Avicena, permeiam a história humana como ioiô.


Assim, se mostra curioso o movimento dos cientistas que partem do pressuposto básico da inexistência de Deus! Fundamental notar que esta negação se baseia numa certeza, uma forma de fé radical, uma fé no nada, ou de que nada existe além do que os cinco sentidos permitem. Se meu pressuposto é a negação, afirmo que sou o próprio Arquiteto. Forma discreta e elegante do culto materialista.
     Ney Matogrosso oferece solução a essa tensão característica da insustentável leveza do ser em sua música "Balada do Louco"

“Eu juro que é melhor não ser o normal. Se posso pensar que Deus sou eu.”

Mas haveria espaço para todas essas posturas sem que uma estivesse correta e a outra equivocada? Acredito que sim e que todos estejam igualmente certos em suas observações e conclusões. Existe uma ideia corrente de que a própria consciência de cada ser humano, de algum modo, determina sua realidade. O mundo e a realidade de cada pessoa respondem a estas convicções pessoais, levando-as cada vez mais a concretizá-las em sua forma de viver e escolher. Estou afirmando que a história de cada pessoa responde ao modo como ela constitui seu universo e percepções – negar possibilidades é bloquear certas vivências; permiti-las é estar aberto ao novo. Desse modo, alguém cujas convicções se baseiam na materialidade e no vazio pré e pós-existência corpórea, assim é para ele e assim será. Não apenas como modelo abstrato e argumento para discussões, mas como fato real de como sua história se desdobrará.
Realmente um olhar atento descobrirá existirem fortes evidências de que construímos o mundo com base em nossas ideias, sendo este o grande dilema do livre arbítrio da vontade. O livre arbítrio da vontade é uma ferramenta mestra. Pensar o mundo como algo formatado em que todos os seres e consciências simplesmente respondem às leis naturais é limitar o conceito livre-arbítrio. Afinal, como concluímos que as próprias leis não estejam em processo pessoal de evolução?


Sheldrake nos convida a reflexões dessa natureza de forma elegante na obra “Ciência sem Dogmas”, entre outras. Quando sua vida estiver equilibrada, procure pensar a esse respeito. Caso sua vida esteja constantemente desequilibrada, procure pensar a esse respeito também...

“Como quereis que os homens vos façam, do mesmo modo fazei a eles.”
Lucas 6:31